• Em Destaque

    Se eu achar o fóssil de um dinossauro, ele é meu?




    Aqui no Brasil, se durante uma "exploração" em seu quintal ou numa área pública, você encontrar qualquer vestígio de um dinossauro —seja a marca de uma pegada sedimentada em uma rocha ou um esqueleto completo—, nem adianta achar que ele fará parte da decoração da sua casa.
    Desde 1942, existe uma lei no país que determina que qualquer fóssil encontrado em território nacional pertence à União, ou seja, faz parte do patrimônio cultural e natural do Brasil.
    "Logo, você não pode ficar com ele e, muito menos, vender. Será categorizado como crime"
    Sérgio Alex de Azevedo, do Museu Nacional do Rio de Janeiro

    Isso inclui vestígios de todos os organismos vertebrados e invertebrados do passado que ficaram preservados em rochas sedimentares ou cavernas, por exemplo.
    Ainda de acordo com a legislação, a extração desses fósseis depende da autorização e da fiscalização do DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral, órgão vinculado ao Ministério de Minas e Energia).
    Mas e se eu achar algo, o que faço?
    O primeiro passo, é informar ao DNPM sobre o achado. A comunicação é simples, basta um e-mail informando o local e fotos. O órgão, então, deve enviar paleontólogos ao local para retirar o fóssil e enviá-lo a uma instituição científica ou começar a escavação.
    "É importante descrever muito bem a ocorrência antes da retirada para que os dados não se percam caso a coleta seja feita de forma errada", diz o geólogo Paulo Ribeiro de Santana, do DNPM.
    Outra alternativa é procurar um museu ou universidade (privada ou pública) e comunicar o achado. As escavações feitas por museus nacionais independem da autorização do órgão. Segundo o último relatório divulgado pelo departamento, em 2014, foram registrados 63 comunicações de coleta de fósseis por universidades.
    De acordo com o paleontólogo William Nava, do Museu de Paleontologia de Marília, no Brasil, em 90% dos casos, as ocorrências de possíveis fósseis não são comunicadas.
    "São vários motivos, como medo de que a área seja interditada para escavações, desconhecimento sobre o que pode ser aquele osso grande e estranho. Geralmente, há uma associação com ossos de elefante o de boi".
    A lei é a mesma em todos os países?
    Se no Brasil, a posse e venda de fósseis é crime, em outros, como nos Estados Unidos, seu comércio é liberado.
    Em outubro de 1997, por exemplo, o esqueleto de um Tiranossauro Rex encontrado no Estado de Dakota do Sul foi vendido por pouco mais de US$ 8 milhões.
    Já na China, até 2011, o roubo ou a escavação de fósseis por pessoas não autorizadas era punido com pena de morte.
    Roubos crescem
    Embora seja proibido, o comércio de fósseis no Brasil acontece desde o final do século 19 e início do século 20. Na maioria dos casos, as peças vão para colecionadores particulares e museus de outros países.
    Alguns ossos já foram vendidos, inclusive, em sites de leilão pela internet. Em 2012, um ninho de mesossauro (réptil parecido com uma lagartixa aquática) foi anunciado no Ebay (site americano de leilão) por US$ 29 mil (R$ 94 mil).

    Fonte: UOL
    Contribua
    • Comente
    • Comente com Facebook

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Item Reviewed: Se eu achar o fóssil de um dinossauro, ele é meu? Rating: 5 Reviewed By: Bruno Angelim
    Topo