• Em Destaque

    Descoberto primeiro evento de cruzamento entre populações humanas antigas

    Crânios humanos modernos e neandertais (Fonte: Adobe Stock)

    Durante três anos, o antropólogo Alan Rogers tentou resolver um quebra-cabeça evolucionário. Sua pesquisa desembaraça milhões de anos de evolução humana, analisando cadeias de DNA de espécies humanas antigas conhecidas como homininas. Como muitos geneticistas evolucionistas, Rogers compara genomas de hominina em busca de padrões genéticos, como mutações e genes compartilhados. Ele desenvolve métodos estatísticos que inferem a história das populações humanas antigas.

    Em 2017, Rogers liderou um estudo que descobriu que duas linhagens de humanos antigos, neandertais e denisovanos, se separavam muito mais cedo do que se pensava. Isso causou alguma controvérsia - os antropólogos Mafessoni e Prüfer argumentaram que seu método para analisar o DNA produziu resultados diferentes. Rogers concordou, mas percebeu que nenhum dos métodos explicava muito bem os dados genéticos.

    "Ambos os métodos em discussão estavam faltando alguma coisa, mas o quê?" Perguntou Rogers, professor de antropologia da Universidade de Utah.


    O novo estudo resolveu esse quebra-cabeça e, ao fazê-lo, documentou o primeiro evento conhecido de cruzamento entre populações humanas antigas - um grupo conhecido como 'super-arcaico' na Eurásia, cruzado com um ancestral neandertal-denisovano cerca de 700.000 anos atrás. O evento foi entre duas populações que estavam mais distantes do que qualquer outra registrada. Os autores também propuseram um cronograma revisado para a migração humana da África e da Eurásia. O método para analisar o DNA antigo fornece uma nova maneira de olhar mais para trás na linhagem humana do que nunca.

    "Nunca conhecemos esse episódio de cruzamento e nunca fomos capazes de estimar o tamanho da população super-arcaica", disse Rogers, principal autor do estudo. "Estamos apenas lançando luz sobre um intervalo na história evolutiva humana que antes era completamente escuro".

    O artigo foi publicado em 20 de fevereiro de 2020 na revista Science Advances.

    Fora da África e cruzamentos

    Rogers estudou as maneiras pelas quais as mutações são compartilhadas entre africanos e europeus modernos, e neandertais e denisovanos antigos. O padrão de compartilhamento implicava cinco episódios de cruzamento, incluindo um anteriormente desconhecido. O episódio recém-descoberto envolve cruzamentos há mais de 700.000 anos entre uma população 'super-arcaica' distante, que se separou de todos os outros humanos há cerca de dois milhões de anos, e os ancestrais dos neandertais e denisovanos.

    As populações ancestrais super-arcaica e neandertal-denisovana estavam mais distantes do que qualquer outro par de populações humanas anteriormente conhecidas por cruzar. Por exemplo, os humanos modernos e os neandertais foram separados por cerca de 750.000 anos quando se cruzaram. Os ancestrais super-arcaicos e neandertais-denisovanos foram separados por mais de um milhão de anos.

    "Essas descobertas sobre o momento em que os cruzamentos ocorreram na linhagem humana estão dizendo algo sobre quanto tempo leva para o isolamento reprodutivo evoluir", disse Rogers.


    Os autores usaram outras pistas nos genomas para estimar quando as populações humanas antigas se separaram e seu tamanho efetivo da população. Eles estimaram que o super-arcaico se separou em sua própria espécie cerca de dois milhões de anos atrás. Isso concorda com a evidência fóssil humana na Eurásia que tem 1,85 milhão de anos.

    Os pesquisadores também propuseram que havia três ondas de migração humana na Eurásia. O primeiro ocorreu há dois milhões de anos, quando os super-arcaicos migraram para a Eurásia e se expandiram para uma grande população. Então, 700.000 anos atrás, os ancestrais neandertais-denisovanos migraram para a Eurásia e rapidamente cruzaram com os descendentes dos super-arcaicos. Finalmente, os humanos modernos se expandiram para a Eurásia há 50.000 anos, onde sabemos que eles cruzam com outros humanos antigos, inclusive com os neandertais.

    "Eu tenho trabalhado nos últimos dois anos nessa maneira diferente de analisar dados genéticos para descobrir sobre a história", disse Rogers. "É gratificante que você tenha uma maneira diferente de ver os dados e acabe descobrindo coisas que as pessoas não foram capazes de ver com outros métodos".

    Nathan S. Harris e Alan A. Achenbach, do Departamento de Antropologia da Universidade de Utah, também contribuíram para o estudo.

    Fonte: Science Daily

    Próximo
    Próxima postagem
    Postagem mais antiga
    • Comente
    • Comente com Facebook

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Item Reviewed: Descoberto primeiro evento de cruzamento entre populações humanas antigas Rating: 5 Reviewed By: Bruno Angelim
    Topo